Varizes na gravidez: como lidar

Varizes incomodam em qualquer fase da vida. E na gravidez elas podem aparecer em quem nunca teve o problema e se agravar ainda mais nas mulheres que já convivem com elas. Isso porque, nessa fase, além das alterações hormonais, o aumento do abdome faz uma maior pressão nos vasos da pele, que se dilatam.

Essas veias tortuosas e dilatadas podem se desenvolver em vários graus. A hereditariedade, o aumento de peso, a vida sedentária e o uso de hormônios são alguns dos fatores que contribuem para o seu aparecimento. Esse último fator, por exemplo, faz com que as mulheres sejam as maiores vítimas das varizes.

Segundo Marcelo Pereira Bello, angiologista e cirurgião vascular e linfático do Hospital São Luiz (SP), o ideal é que a paciente que está pensando em engravidar faça um tratamento antes da gestação. “Só não indicamos cirurgia, porque como há chance de os vasos dilatarem durante a gravidez, pode ser que um novo procedimento seja necessário depois que o bebê nascer”, diz.

E uma boa notícia: de acordo com o especialista, há chance de as veias dilatadas na gravidez regredirem três ou quatro meses após o parto, principalmente em quem nunca teve varizes anteriormente.

Algumas medidas são importantes para evitar ou amenizar o problema na gestação. Confira:

· Mantenha uma alimentação balanceada, para não ganhar peso em excesso e não piorar as varizes;

· Faça atividades físicas de baixo impacto. As melhores são as com água, como hidroginástica ou natação leve, que ainda fazem uma drenagem natural no corpo;

· Use meias elásticas, mediante prescrição médica, que auxiliam na prevenção;

· Outra dica são as massagens, que podem ser feitas à base de calêndula vermelha, e drenagem linfática manual, feita por especialistas em gestantes, que ajudam a reduzir os inchaços além de melhorar o fluxo sanguíneo;

· Embora haja um mito em relação a sapatos altos, segundo o especialista, o ideal é usar saltinhos entre 3 e 5 cm de altura, que estimulam a musculatura da panturrilha e ajudam na circulação do sangue nas veias;

Continue lendo no Revista Crescer>>

Fonte: Revista Crescer

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*